PSL, PT e MDB terão maior parte do fundo eleitoral em 2020. Veja as demais siglas

Spread the love

Enquanto a equipe econômica do governo do presidente Jair Bolsonaro se debruça em um plano para arrecadar R$ 20 bilhões para socorrer ministérios – 13 deles podem sofrer cortes em programas –, os deputados federais e senadores votam hoje, em reunião conjunta, projeto que destina aos partidos que os elegeram R$ 3,7 bilhões para custear as campanhas eleitorais de 2020.

O valor é mais que o dobro da verba usada na campanha de 2018, quando R$ 1,7 bilhão saiu dos cofres públicos para bancar os gastos dos candidatos. Os recursos farão parte do Fundo Especial de Financiamento de Campanha – ou simplemente “fundão” –, criado pelo Congresso Nacional em 2017, em resposta à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de proibir as doações de empresas para as campanhas.

O texto está no relatório final aprovado pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) no projeto que trata da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do ano que vem. Assinado pelo deputado Cacá Leão (PP-BA), o relatório destina 1% da receita corrente líquida da União para as emendas de bancada e, deste montante, 44% vai para o fundo eleitoral – o que chega aos cerca de R$ 3,7 bilhões.

Em 2018, o percentual era de 30%, somando os R$ 1,7 bilhão transferidos para os diretórios nacionais dos 35 partidos políticos que tinham registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mas caso o texto seja aprovado no Congresso sem alterações, PT, PSL e MDB ficarão com as maiores cifras: R$ 365,2 milhões, R$ 364,2 milhões e R$ 282,3 milhões, respectivamente. A estimativa foi feita pelo Estado de Minas, com base no número de bancadas na Câmara e Senado e votos obtidos nas eleições de 2018.

Os critérios para a distribuição dos recursos foram definidos pelo TSE: 48% do total proporcionalmente à bancada na Câmara e 15% do Senado; 35% entre partidos que tenham pelo menos um representante na Câmara, na proporção do percentual de votos obtidos na última eleição geral da Câmara e 2% divididos igualmente entre os partidos registrados no TSE.

Surpresa  A grande surpresa para o ano que vem é o PSL, que de nanico e inexpressivo, terminou as eleições de 2018 com a maior votação nacional para a Câmara – capitaneado pelo então candidato a presidente Jair Bolsonaro. O resultado garantirá ao partido um caixa gordo nas próximas eleições.

Se em 2018 o PSL recebeu R$ 9,02 milhões do fundo eleitoral para pagar as campanhas para o Palácio do Planalto, governadores, deputados e senadores, a estimativa é de que no ano que vem tenha direito a receber R$ 364,2 milhões do fundo eleitoral para custear os candidatos a prefeito e vereadores.

Na semana passada, a legenda organizou um evento nacional em busca de filiações para disputar as cadeiras em 2020. A meta em Minas é eleger 100 prefeitos e 150 vereadores. O dinheiro do fundo eleitoral sai dos cofres públicos e é transferido para os partidos, a quem cabe a divisão entre os candidatos nas eleições. Mas a Justiça Eleitoral estabeleceu as regras para uso da verba. Um exemplo é que 30% do total dos recursos do fundo seja usado para custear campanhas de mulheres.

A norma deixou o PSL na berlinda. Isso porque a Polícia Federal investiga um suposto esquema envolvendo candidaturas laranjas para cumprir a cota feminina e acessar recursos do fundo eleitoral. Em junho, dois ex-assessores e um auxiliar do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, chegaram a ser presos em meio a apurações de irregularidades no uso do dinheiro. A direção da legenda nega a irregularidade.

Veja a tabela:

PBAGORA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *