“Esperavam que eu negasse a minha história como vice-governadora”, diz Lígia

0
16

A vice-governadora Lígia Feliciano (PDT), que colocou esta semana a pré-candidatura ao governo do Estado, comentou sobre as eleições de 2018 e destacou que a pretensão que tem é legítima.

– Eu me dedico todos os dias ao serviço público e me vem o desejo de governar a Paraíba. Esse desejo vem do meu coração. Eu tive o apoio do PDT nacional, através de Carlos Lupi e Ciro Gomes. Mas, eu pensei o seguinte: primeiro eu tenho que ter o apoio do povo. Ninguém é candidato de ninguém. Estamos em uma época em que as pessoas estão criando uma maior consciência na política. Estou colocando meu nome conversando com as pessoas, com as entidades, dizendo o meu pensamento para a Paraíba e na hora que eu me lançar candidata a governadora eu serei candidata do povo – pontuou.

Lígia comentou que teve uma única conversa com o governador Ricardo Coutinho (PSB) sobre política no ano passado, quando o gestor anunciou que ficaria no governo até o final da gestão.

– Ano passado tivemos uma conversa, quando ele disse que ficaria no governo até o fim do mantado. Eu disse que o apoiava nessa decisão. Ele perguntou se eu tinha pretensões políticas e eu respondi que tinha e que no momento certo, em 2018, eu vou saber qual é – ponderou.

Indagada sobre a candidatura do ex-secretário João Azevedo (PSB), que tem o apoio de Ricardo, Lígia respondeu que a vê com naturalidade e que é normal haver duas candidaturas governistas, assim como é na oposição, que atualmente tem os nomes de Lucélio Cartaxo (PV) e José Maranhão (MDB).

Ela também frisou que muitos esperavam que ela desistisse e negasse a sua história como vice-governadora.

– Já houve muitos casos desses, inclusive aqui na Paraíba. Ter uma ou duas candidaturas defendendo a mesma bandeira. Você vê até a oposição que tem duas candidaturas, isso é normal. É uma quebra de paradigma, pois o que se esperava era que eu negasse a minha história como vice-governadora. Desde 2010 que o PDT é aliado a esse projeto que vem mudando a Paraíba. Construímos juntos tijolinho por tijolinho. Na chapa, eu vim representar a força da mulher paraibana e Campina Grande. A surpresa é que achavam que, como na velha política, se você não está no lado A, tem que estar no lado B – sublinhou.

*As declarações repercutiram na Rádio Correio FM, nesta sexta-feira (27)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here